O futuro do setor automotivo: O que ele promete

Wash Me 9 de maio de 2022

De carros autônomos a combustíveis sustentáveis, confira o que os próximos anos prometem para a indústria automotiva

Há mais de 30 anos o imaginário das pessoas já sonhava com carros voadores e tantas tecnologias avançadas. Quem nunca assistiu desenhos como “Os Jetsons” e “Futurama” e desejou viver num mundo igualmente tecnológico e andar nos tais carros, que antes eram apenas fantasia? Parece impossível, mas essa realidade não está tão longe de se tornar real.

Afinal, quem iria imaginar ser possível realizar delivery de veículos ou test’s drives online e ao vivo?! Essas ações já são reais e foram um meio que as concessionárias encontraram para sobreviver no momento de pandemia, que forçou muitos negócios e empresas a migrarem para o digital. E isso não seria diferente com a indústria de automóveis. Esse momento de crise abriu portas para o avanço tecnológico e soluções que mudarão o setor em breve.

Confira agora alguns avanços do setor automotivo para os próximos anos que mais parecem ficção, mas se tornam cada vez mais reais e próximos a nós.

1. Combustíveis alternativos

Como já dito em nossa Newsletter anterior (O que é Hidrogênio Verde?) combustíveis fósseis estão ficando para trás para darem lugar a outros combustíveis mais sustentáveis que causem menos danos e impactos negativos no meio ambiente. Nesse cenário para tomar o lugar deles, surgem os automóveis mais ecológicos que não utilizam combustíveis fósseis e poluentes para funcionar.

Essa nova geração de automóveis é movida, principalmente, por combustíveis alternativos como o hidrogênio verde, azul ou cinza, fontes renováveis e até eletricidade. O meio ambiente é uma das maiores preocupações mundiais atualmente e alguns países já tomam decisões para preservá-lo incentivando as montadoras a fabricar mais veículos sustentáveis, por exemplo.

2. Carros conectados

A Internet das Coisas vem sendo introduzida em cada vez mais setores, e o automotivo não fica de fora dessa revolução tecnológica. Uma das principais tendências para os próximos anos, é a de que a Internet das Coisas (IoT) possa criar interconexão entre pessoas e objetos, automóveis no caso, por meio de sensores inteligentes e softwares que transmitem dados para uma rede.

Isso vai permitir que seja possível os veículos calcularem sozinhos a rota ou o tempo necessário de um trajeto sem precisar de um aplicativo para tal, ou, então, avisar quando é preciso manutenção de alguma peça ou vistoria, sem que o proprietário precise ficar de olho acompanhando de perto minuciosos detalhes.

3. Veículos autônomos

Assim como os carros conectados com inteligência artificial, que podem ter funcionalidades como calcular rotas sozinhos, a expectativa é de que eles consigam também dirigirem sozinhos. As montadoras querem ousar e investir mais nessa nova funcionalidade que promete muito mais facilidade no trânsito, sendo uma das principais tendências esperadas para os próximos anos: veículos que não precisam de motorista para trafegar, ou seja, os veículos que possuem condução totalmente autônoma.

Os carros autônomos funcionam da seguinte forma: um controle feito por computador emite dados por um sensor no veículo; esses sensores ativam um sistema de assistente de direção; assim é possível manobrar o carro, detectar objetos e identificar e avisar com antecedência situações de perigo.

4. Carros voadores

O clássico “De Volta para o Futuro” havia criado uma enorme expectativa para essa novidade chegar em torno de 2015. Chegando um pouco atrasado, inacreditavelmente, eles estão cada vez mais próximos de se tornarem realidade. Alguns países já vêm desenvolvendo essa tecnologia futurista – inclusive o Brasil, já contando com testes no Rio de Janeiro. É estimado que os céus do país recebam os primeiros veículos voadores em 2025, muito próximo não?! Já imaginou um trânsito na atmosfera?!

A priori, os carros voadores serão uma espécie de ônibus que transportarão pessoas em determinados horários a curtas distâncias, dentro da mesma região. Eles não ocuparão muito espaço e serão mais baratos e mais silenciosos (já que é movido a eletricidade, sendo assim menos poluentes)

O custo inicial de uma passagem seria mais alto em comparação com os transportes tradicionais, entretanto, será um meio muito mais rápido, sem risco de congestionamentos e ecológico. Com o passar do tempo e adesão, o esperado é que o preço caia assim que a ideia se popularizar.

5. Novas certificações

O TISAX, também já explorado em nosso boletim (Você conhece o TISAX?) aborda e assegura informações sigilosas tanto de montadoras e concessionárias quanto de clientes. A importância de se manter seguro os dados de futuros projetos, por exemplo, e dados pessoais de consumidores está cada vez mais em alta, já sendo requisito para fechar negócios em alguns países, principalmente, europeus – visto que essa norma foi criada lá.

A adesão por parte de grandes empresas, como a AG Continental e Amazon, evidencia a importância desse certificado para os próximos anos. Estima-se que até 2030 ele seja obrigatório dentro do setor automotivo

6. Seguro para cada nova necessidade

Conforme o crescimento dessas funcionalidades e opções futuras, surge também a necessidade de se adequar os seguros para tais. Afinal, um seguro de veículos comuns não conseguiria cobrir aspectos de veículos voadores, por exemplo.  Quanto mais essas áreas se expandirem e se popularizarem, o mercado de seguros será impactado diretamente. Para acompanhar as inovações tecnológicas, a proteção do patrimônio continuará sendo, cada vez mais, uma das principais soluções para os donos de veículos.

 O que achou dessas inovações? Acredita que alguma possa não vingar ou é esse o futuro que nos espera inevitavelmente? Comenta aqui embaixo 🚙👇